segunda-feira, 22 de agosto de 2022

Cicop realiza encontro técnico sobre planejamento de resíduos sólidos

Foi realizado na última quinta-feira, 18, o primeiro encontro técnico sobre planejamento regional em resíduos sólidos, evento que foi organizado pelo Cicop (Consórcio Intermunicipal do Centro-oeste Paulista). Esse órgão busca solucionar tecnicamente a coleta e a disposição final dos resíduos sólidos, evitando a degradação e poluição do solo e recursos hídricos. Fazem parte do Consórcio os municípios de Álvaro de Carvalho, Alvinlândia, Fernão, Gália, Garça, Guarantã, Júlio Mesquita e Lupércio.
A criação do Consórcio se deu para existir uma organização regional visando resolver os problemas relacionados aos resíduos sólidos, que é tudo aquilo que normalmente se classifica como lixo, ou seja, qualquer matéria sólida ou semissólida produzida pelo homem e pela natureza. Várias cidades não contam mais com espaço para enterrar o lixo e, portanto, essa união buscou encontrar uma saída para esse problema, ao mesmo tempo em que estimula a separação dos materiais recicláveis, o que faz com que o volume de material a ser descartado diminua consideravelmente.
Ao longo do encontro, os participantes analisaram o marco regulatório do saneamento básico, o planejamento regional em resíduo sólidos, assim como a plataforma de gestão de resíduos sólidos e o fortalecimento do planejamento regional nessa área.
Um dos palestrantes do evento foi o coordenador executivo do Comitê de Integração de Resíduos Sólidos, José Valverde. Ele destacou que a região está mobilizada em relação aos desafios do lixo, como gerar menor volume, destinar adequadamente e realizar tal trabalho não de forma individualizada, de município a município, mas com regiões integradas.
“Um eixo do nosso Comitê de Integração de Resíduos Sólidos é voltado para a regionalização e as soluções consorciadas, uma vez que o Estado de São Paulo conta com 645 municípios e não é possível desenvolver 645 soluções individualizadas”, explicou Valverde.
O coordenador apontou que o Cicop tem uma importância estratégica para Garça e região e que esse papel vai ficar mais evidente a partir de agora, já que o governo do Estado de São Paulo repassou R$ 3,2 milhões para a entidade, visando a aquisição de uma unidade móvel de tratamento do resíduo da construção civil.
“O lixo é considerado um bem de valor econômico, capaz de gerar trabalho e renda, ou seja, hoje nós temos um conceito de economia circular, com grande potencial da reciclagem, de isso se transformar em novos produtos, de a indústria se valer da produção a partir desses recursos, além de a gente poupar os recursos naturais. Um grande exemplo que a região vai experimentar a partir do final do ano, quando chegará a unidade móvel da construção civil que irá triturar todo aquele entulho que é um grande problema aqui para a região. Para poder fazer desse material base para estradas rurais, base para obras públicas, movimentando, inclusive, a economia dos municípios da região”, sustentou Valverde.
Valverde indicou que os aterros sanitários no Estado de São Paulo continuarão a existir, sendo licenciados de forma rigorosa pela Cetesb, mas com uma visão mais abrangente e com a potencialidade de transformação.
“O aterro sanitário é algo que precisa evoluir. Ele precisa, por exemplo, seguir para um conceito que traga o aproveitamento energético, a recuperação energética. Não é possível no século 21 fazermos como fazíamos no século 19, afastar da cidade e enterrar. Hoje até agravamos, pois pagamos para enterrar aquilo que tem valor econômico e valor energético. O Estado não vai acabar com o aterro, mas queremos muito alavancar a reciclagem e a produção de energia a partir do lixo”, complementou.
Presente no evento, a engenheira florestal da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente e vice-presidente da AEAAG (Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Garça), Maria Ângela Panzieri, destacou a importância dos profissionais do setor para a o planejamento e execução do projeto.
“É importante lembrarmos que temos vários técnicos, engenheiros civis, engenheiros florestais, engenheiros agrônomos envolvidos em todo esse processo. Daí a importância do conhecimento, do papel social e da atuação desses profissionais para todos os municípios que fazem parte do Cicop”, salientou ela.
Presidente do Cicob, o prefeito de Garça, João Carlos dos Santos (União Brasil), ressaltou que o encontro teve um viés técnico e buscou discutir as iniciativas que o Consórcio tem tomado, com soluções regionais e metas que serão desenvolvidas nos próximos anos, buscando reduzir o volume de lixo a ser encaminhado para aterros sanitários.
O Consórcio vai contar com uma área de recebimento dos materiais oriundos dos oito municípios que fazem parte desse órgão. "Estamos agora na fase de implantação do Consórcio. Iniciamos o desdobramento do plano regional, dentro de cada um dos municípios, trabalhado essa questão da coleta seletiva, das mudanças das Leis, e, consequentemente, aquilo que no município sobrar de lixo vai ser encaminhado para a unidade de valorização, que vai ser instalada aqui em Garça, em uma área do município, que será cedida para o uso do Consórcio, onde estaremos recepcionando todo o lixo proveniente dos oito municípios, estabelecendo uma nova triagem, pois há um volume muito grande de produtos recicláveis”, finalizou Santos.

Fonte: Jornal Debate



Nenhum comentário:

Postar um comentário