terça-feira, 4 de janeiro de 2022

Garça registra criação de 31 pontos de trabalho ao longo de novembro

Um pequeno avanço nos empregos. Esse foi o cenário para Garça ao longo de novembro, segundo os números mais recentes apresentados pelo Ministério do Trabalho, dentro do Novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).  Ao longo do mês passado, a cidade registrou um saldo positivo de 31 postos de trabalho com carteira assinada. O volume de contratações e de demissões no município foi de 317 trabalhadores admitidos, contra 286 que perderam o emprego.
O setor que fez o maior número de contratações em novembro foi o de serviços, que teve um volume de admissões de 137 trabalhadores, ao passo que os desligamentos foram de 111 profissionais, gerando um saldo positivo de 26. O comércio também teve um saldo positivo, de 29 postos. Esse setor teve 115 admissões em novembro, contra 86 demissões. A agropecuária teve 11 admissões e nove demissões (+2).
A indústria voltou a ter recuo nos postos de trabalho, com saldo negativo de 15. Foram 58 demissões e 43 contratações. O segmento da construção civil também registrou baixas. Foram identificadas 11 contratações, contra 22 desligamentos, gerando um saldo desfavorável de 11 postos. 
Nos primeiros 11 meses de 2021, a cidade de Garça acumula um saldo positivo de 621 postos de trabalho, com 3.837 admissões e 3.216 demissões.
Entre janeiro e novembro, os serviços mantiveram-se como o maior contratante em Garça, com saldo positivo de 536 postos, com 1.659 admitidos e 1.123 demitidos. O comércio teve saldo favorável de 166 postos, com 1.031 contratados e 865 baixas. O setor agrícola contratou 203 profissionais, mas desligou 204 (-1), ao passo que a indústria teve 681 contratações e 722 demissões (-41). A construção civil teve 263 contratados e 302 demitidos (-39). 
Durante o mês de novembro, a cidade de Gália teve o registro negativo de nove postos de trabalho, com 38 admitidos e 47 demitidos. Já Fernão contou com a assinatura de seis carteiras de trabalho e a demissão de oito trabalhadores, com saldo negativo de 2 postos.
No ano, Gália tem saldo positivo de 35 postos de trabalho, com 394 admissões e 359 demissões. Já Fernão teve a criação de 158 vagas de trabalho e 147 desligamentos (+11).
O Brasil, ainda segundo o Novo Caged, gerou 324.112 postos de trabalho em novembro deste ano, resultado de 1.772.766 admissões e de 1.448.654 desligamentos de empregos com carteira assinada. No acumulado de 2021, o saldo positivo é de 2.992.898 novos trabalhadores no mercado formal.
De 1992 até dezembro de 2019, os dados sobre o mercado de trabalho formal tinham como base somente o Caged, que monitorava admissões e demissões no regime da CLT. A partir de janeiro de 2020, a divulgação trouxe informações de três sistemas: Caged, eSocial e Empregador Web, no qual se registram os pedidos de seguro-desemprego. Essa fusão de dados complementares foi batizada de Novo Caged.
O eSocial é um sistema digital criado em 2014 que unifica registros fiscais, previdenciários e trabalhistas. Por ser mais amplo que o Caged, o eSocial capta dados mais detalhados. No eSocial, todos os trabalhadores formais precisam ser registrados, inclusive bolsistas, temporários, agentes públicos e dirigentes sindicais. Já o antigo Caged dispensava o registro de diversas categorias, incluindo avulsos, domésticos, cooperados. Assim, apontam os especialistas em dados trabalhistas, o novo sistema passou a incluir muito mais gente, com o resultado de emprego se mostrando diferente do que era obtido antes dessa mudança, com a tendência dos números serem mais robustos.

Redação do Garca.Jor



Nenhum comentário:

Postar um comentário