quarta-feira, 17 de novembro de 2021

Manifestação tenta impedir leilão do prédio da Santa Casa em Bariri

Uma mobilização marcada para as 18 horas desta quinta-feira, 18, em frente à Santa Casa de Bariri, pretende unir a população para tentar impedir que o único hospital da cidade, e que também atende os municípios de Itaju e Boraceia, tenha seu prédio leiloado pela Justiça. O ato é organizado pelo Conselho Conselho Superior de Administração, que atua como interventor da Santa Casa, e tenta minimizar os possíveis impactos decorrentes de ações judiciais trabalhistas já em processo de execução, que foram herdadas da organização social que antigamente administrava o hospital.
O manifesto será em forma de culto ecumênico e tem como objetivo reunir funcionários, líderes religiosos, autoridades, políticos e a população.
O Conselho da Entidade que organiza o ato é presidido por Luis Gonzaga Gerlin e Renato Felix e tem como gestão geral de Denise Sgavioli.
"A nosso ver é um leilão irregular, o prédio é considerado de interesse público. Tentamos a suspensão dos efeitos da venda, se ela ocorrer. Isso porque a população será a parte mais prejudicada, caso o leilão se concretize", afirma o Felix, vice-presidente do conselho.
O leilão é consequência de inúmeras ações trabalhistas, ajuizadas em 2018, época em que a Santa Casa era administrada pela Organização Social Vitale Saúde, que foi investigada pelo Ministério Público por irregularidades e desvio de recursos públicos.
A partir do segundo semestre de 2019, essas ações entraram na fase de execução. Em despacho de 21 de outubro deste ano, o juízo da Vara do Trabalho de Pederneiras determinou o leilão on-line do imóvel da Santa Casa para 06 de dezembro de 2021, às 13 horas.
No início deste ano, a gestão interventora assinou acordo um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) junto ao MP, com foco em impedir situações ilegais, reparar danos ao direito coletivo e evitar a ações judiciais. Neste contexto, conselho citado foi montado e diz que tem trabalhado para dar total transparência aos investimentos com recursos públicos e resgatar a credibilidade do hospital.
A reportagem tentou contato com a Organização Social Vitale Saúde, mas ninguém foi encontrado para falar sobre o assunto.
Em nota, a assessoria de imprensa do Tribunal Regional do Trabalho da 15.ª Região (TRT-15) informou que as manifestações do juízo sobre processos em andamento são proibidas por lei.
Segundo o tribunal, as execuções em questão envolvem "processos em que os trabalhadores tiveram seus direitos reconhecidos pela Justiça e o devedor, já condenado, não cumpriu a decisão judicial", ressalta o TRT-15. "Importante salientar que as verbas trabalhistas são consideradas de natureza alimentar. Caso seja concretizada a arrematação, o valor arrecadado beneficiará diversos trabalhadores, cujos créditos superam R$ 290 mil", completa o órgão.
A Santa Casa de Misericórdia de Bariri é um hospital filantrópico inaugurado em 1934. A unidade presta atendimentos médicos para Bariri e adjacências, sendo referência para pronto atendimento, realização de exames, procedimentos cirúrgicos e internações de média complexidade.

Fonte: Jornal da Cidade de Bauru



Nenhum comentário:

Postar um comentário