terça-feira, 31 de agosto de 2021

Garça tem geração de nove postos de trabalho ao longo do mês de julho

Durante esta semana, o Ministério do Trabalho apresentou um novo relatório referente aos números do Novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Esse levantamento indicou que a cidade de Garça registrou, no mês de julho, um saldo positivo de somente nove postos de trabalho com carteira assinada. O volume de contratações e de demissões no município foi de 245 trabalhadores admitidos, contra 226 que perderam o emprego.
O setor que mais contratou no sétimo mês do ano foi novamente o de serviços, que teve o registro de admissão de 103 trabalhadores, ao passo que os desligamentos foram de 87 profissionais, gerando um saldo positivo de 16. O comércio também teve um saldo positivo, de 23 postos. Esse setor teve 76 admissões em julho, contra 53 demissões.
A indústria voltou a ter recuo nos postos de trabalho, com saldo negativo de cinco. Foram 50 demissões e 45 contratações. A construção civil teve um julho negativo, com 12 admissões e 22 demissões, com saldo de -10. O segmento agrícola também registrou baixas. Foram identificadas nove contratações, contra 24 desligamentos, gerando um saldo desfavorável de 15 postos. 
Nos primeiros sete meses de 2021, a cidade de Garça acumula um saldo positivo de 676 postos de trabalho, com 2.471 admissões e 1.795 demissões.
Entre janeiro e julho, os serviços mantiveram-se como o maior contratante em Garça, com saldo positivo de 610 postos, com 1.195 admitidos e 585 demitidos. O comércio teve saldo favorável de 76 postos, com 552 contratados e 476 baixas. O setor agrícola contratou 141 profissionais, mas desligou 125 (+ 16), ao passo que a indústria teve 422 contratações e 408 demissões (+ 14). A construção civil teve 161 contratados e 201 demitidos (- 40). 
Ao longo do mês de julho, a cidade de Gália teve o registro positivo de 12 postos de trabalho, com 39 admitidos e 27 demitidos. Já Fernão contou com a assinatura de 27 carteiras de trabalho e com a demissão de 20 trabalhadores, com saldo positivo de sete.
No ano, Gália tem saldo positivo de 29 postos de trabalho, com 217 admissões e 188 demissões. Já Fernão teve a criação de 104 vagas de trabalho e 69 desligamentos (+ 35).
O Brasil registrou um saldo de 316.580 novos trabalhadores contratados com carteira assinada em julho. O saldo é o resultado de um total de 1.656.182 admissões e 1.339.602 desligamentos, ainda segundo o Novo Caged. No acumulado do ano, o país registra saldo de 1.848.304 empregos, decorrente de 11.255.025 admissões e de 9.406.721 desligamentos.
De 1992 até dezembro de 2019, os dados sobre o mercado de trabalho formal tinham como base somente o Caged, que monitorava admissões e demissões no regime da CLT. A partir de janeiro de 2020, a divulgação trouxe informações de três sistemas: Caged, eSocial e Empregador Web, no qual se registram os pedidos de seguro-desemprego. Essa fusão de dados complementares foi batizada de Novo Caged.
O eSocial é um sistema digital criado em 2014 que unifica registros fiscais, previdenciários e trabalhistas. Por ser mais amplo que o Caged, o eSocial capta dados mais detalhados. No eSocial, todos os trabalhadores formais precisam ser registrados, inclusive bolsistas, temporários, agentes públicos e dirigentes sindicais. Já o antigo Caged dispensava o registro de diversas categorias, incluindo avulsos, domésticos, cooperados. Assim, apontam os especialistas em dados trabalhistas, o novo sistema passou a incluir muito mais gente, com o resultado de emprego se mostrando diferente do que era obtido antes dessa mudança, com a tendência dos números serem mais robustos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário