quinta-feira, 24 de junho de 2021

Assassino de mãe e filho por briga de água e energia em Assis é condenado

O dia 09 de julho de 2011 foi marcado de uma tragédia por motivo fútil, em que, por causa de divisão de contas de água e energia, de pessoas que moravam no mesmo quintal, Sidnei Gomes de Melo, um dos habitantes do local, matou a tiros de arma de fogo mãe e filho, porque julgava injusta a divisão dos valores.
O crime aconteceu na rua Cabral, 122, em Assos, quando foram mortos a tiros Benedita Sonia Maria e seu filho Anderson Rosa Alves. O companheiro de Benedita, que estava no local, não conseguiu evitar a tragédia, assim como preferiu chamar o socorro a ir atrás do assassino que foi preso posteriormente.
À época foi declarada prova da materialidade do crime e de indícios suficientes de sua autoria, e testemunhas ouvidas chegaram a relatar que houve luta corporal entre Anderson e o assassino, no sentido de evitar que ambos fossem baleados. Eles morreram no local e exame necroscópico teve laudo compatível com arma de fogo.
Onze anos depois, Sidnei Gomes de Melo, que já se encontrava preso, foi submetido a júri, visto que respondia a processo pelo gravíssimo crime de homicídio qualificado e delito hediondo.
Ele, que já trazia em sua bagagem maus antecedentes por lesão corporal, foi condenado por decisão do júri, a sete anos de reclusão pela morte de Anderson, porém, com confissão do autor, a pena passou a ser de seis anos. O mesmo se deu pelo homicídio de Benedita.
As penas são cumulativas pelos dois crimes totalizando 12 anos de reclusão em regime fechado. Não cabe a substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, bem como a suspensão de seu cumprimento, tendo em vista a quantidade da pena, bem como os maus antecedentes.
O advogado de defesa Carlos Henrique Pinheiro foi procurado para se manifestar sobre a sentença, não retornou até o fechamento da matéria.

Fonte: AssisCity



Nenhum comentário:

Postar um comentário