quinta-feira, 22 de abril de 2021

Megaoperação contra o crime organizado tem alvos na região

Policiais civis cumpriram mandados de busca e prisão em penitenciárias de Pirajuí e Balbinos como parte de uma megaoperação contra o crime organizado, deflagrada a partir de investigações da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Barretos. Em uma das unidades, foram apreendidas anotações relacionadas às finanças de uma conhecida facção criminosa.
As diligências integram a segunda fase da operação "Éfodo", que visa à desarticulação de quadrilha dedicada à compra, venda e distribuição de drogas na região de Barretos, formada por membros de facção criminosa que atua dentro e fora dos presídios (leia mais abaixo).
Um dos mandados de busca foi cumprido na cela de detento que se encontra na Penitenciária II de Pirajuí. Lá, foram apreendidas 26 folhas e outros 15 fragmentos de papel com anotações sobre o controle financeiro da facção, além de suposta "receita" com instruções para confecção de cocaína. Em relação ao investigado, também foi cumprido mandado de prisão temporária por trinta dias.
Em Balbinos, foi cumprido mandado de prisão temporária, também por trinta dias, em desfavor de um detento da Penitenciária II. Em ambos os casos, por já se encontrarem cumprindo pena por outros crimes, os detentos permaneceram nas mesmas unidades.
As investigações relacionadas à operação "Éfodo" tiveram início há cerca de dois anos, a partir da prisão de uma das lideranças do grupo. A partir de então, investigadores passaram a analisar celulares, computadores e documentos, o que possibilitou a identificação de outros membros da facção, além de integrantes que se dedicavam a compra, venda e distribuição de drogas na região de Barretos.
A primeira fase ocorreu no ano passado, com o total de 23 pessoas presas. Nesta segunda fase, foram solicitados à Justiça 14 mandados de busca e apreensão e 15 mandados de prisão temporária. As diligências foram realizadas nas cidades paulistas de Barretos, Colina, Taiúva, Balbinos, Getulina, Marília, Pirajuí e Riolândia e no município mineiro de Três Corações.
No total, 14 pessoas foram presas e um quilo de drogas, entre maconha, cocaína e crack, foi apreendido. O nome da operação tem relação com a Grécia antiga. Os éfodos eram responsáveis por evitar o extravio de cartas. Segundo a Polícia Civil, um dos investigados, preso nas duas fases da operação, cumpria este papel de levar cartas de presidiários com reivindicações às lideranças que estavam em liberdade.

Fonte: Jornal da Cidade de Bauru



Nenhum comentário:

Postar um comentário