quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Rombo no regime próprio de Previdência de Marília atinge R$ 65 milhões

A dívida previdenciária da Prefeitura de Marília triplicou em 2020, saindo de R$ 20,2 milhões em dezembro de 2019 para R$ 65,6 milhões no último mês do ano passado. Os dados foram publicados no Diário Oficial do município nesta quinta-feira, 18 de fevereiro.
Na última segunda-feira, 15 de fevereiro, estava em pauta na Câmara de Marília um projeto de lei do Executivo para parcelar junto ao Instituto de Previdência do Município de Marília (Ipremm) cerca de R$ 38 milhões em dívidas, referentes ao período de abril a dezembro do ano passado, incluindo o repasse do 13º.
No entanto, a propositura recebeu pedido de vista pelo vereador Junior Féfin (PSL), aprovado pelos demais parlamentares.
O projeto, que pode ser novamente colocado em votação já na próxima semana, autoriza o Executivo a parcelar suas dívidas junto ao Ipremm.
Com a aprovação, as parcelas serão de pelo menos R$ 4 milhões – em média – por mês, acrescidos de juros. A dívida diz respeito à diferença entre os valores repassados mensalmente ao Instituto (que tem garantido a folha de pagamento de cada mês) e os valores devidos na cota patronal.
Na prática, a Prefeitura mantém a sobrevida do Ipremm ao pagar parcelamentos de dívidas antigas, incluindo gestões anteriores, e fazer repasses que garantem as aposentadorias e pensões em dia. Porém, o município deixa de fazer integralmente aportes vencidos a cada mês.
Por outro lado, um projeto de lei que autoriza a Prefeitura a leiloar mais um terreno para reverter os recursos ao Ipremm foi aprovado pelos vereadores na segunda-feira.

Fonte: Marília Notícia



Nenhum comentário:

Postar um comentário