quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Homicida da ex-mulher é condenado a 27 anos em Tupã

Foi condenado 27 anos de prisão, em regime inicial fechado Aílton Basílio, acusado de matar a ex-mulher a facadas em agosto de 2017 em Tupã.
Aílton matou a bancária Débora Goulart, de 34 anos, com três facadas no peito. Eles foram casados por 10 anos e Aílton não aceitava o fim do relacionamento.
O júri teve início às 9h30 e a sentença foi lida pelo juiz Fábio José Vasconcelos no fim da tarde. O corpo de jurados foi formado por cinco mulheres e dois homens.
Segundo a sentença, a condenação de Aílton levou em consideração o conjunto de qualificadoras do crime de homicídio, como o feminicídio, o uso de meio cruel e, em especial, a premeditação.
O juiz destacou na leitura da sentença, o fato de Aílton ter feito saques em dinheiro às vésperas do crime e ter avisado sua sogra que ela “ganharia um presente especial de aniversário”. O crime aconteceu no dia do aniversário da mãe de Débora.
No dia do crime, em 21 de agosto de 2017, ele atacou Débora quando ela chegava em casa após o trabalho. Após o crime, Aílton fugiu com o carro da vítima.
Câmeras de segurança registraram o veículo na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP 294) e uma testemunha viu o carro estacionado na rodoviária de Maringá/PR.
A polícia seguiu as pistas e Aílton acabou preso em 27 de setembro de 2017 em uma pousada em Teresópolis, na região serrana no Rio de Janeiro, depois de ser flagrado por câmeras de segurança do aeroporto de Foz do Iguaçu, onde pegou o voo para o Rio de Janeiro.

Fonte: Marília Notícia





Nenhum comentário:

Postar um comentário