quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Professora que negou que estupro de criança fosse crime é demitida do governo paulista

Uma professora de um colégio de Guarulhos, Região Metropolitana de São Paulo, foi demitida pela Secretária Estadual de Educação após criticar o aborto legal da menina de 10 anos, que foi vítima de estupro em São Mateus (ES). Eliana Nuci de Oliveira, que lecionava na educação básica da E.E. Prof. Frederico de Barros Brotero, minimizou a violência sofrida pela criança em comentários feitos pelo Facebook. A profissional chegou a questionar por que a menina capixaba nunca contou que era violentada. Ainda insinuou que a garota, que contou à polícia que era estuprada pelo tio desde os seis anos, foi paga para ter relações sexuais. A demissão da professora foi confirmada ao Extra pela pasta.
"Agora tirar a vida de um inocente é triste demais. Criança se defende chorando para mãe, está menina nunca chorou por quê? Não foi nenhuma violência. Ela já tinha vida sexual há 4 anos com esse homem. Deve ter sido bem paga", escreveu a professora na rede social.
A identidade da profissional foi compartilhada pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), após ter sido exposta pelo perfil Anonymous Brasil no Twitter. A parlamentar escreveu:
A menina capixaba de 10 anos que foi para Recife para interromper a gravidez teve alta médica e deixou o Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), da Universidade de Pernambuco, na madrugada desta quarta-feira, dia 19. O governo do Espírito Santo disponibilizou uma aeronave para ela e a avó. Não há informações sobre o destino da criança, para evitar que a menina volte a ser hostilizada por extremistas anti-aborto.
Na noite anterior, antes da partida, a equipe do hospital fez mais um "agrado" para a criança e realizou seu "sonho" de comer um lanche do McDonald's, segundo Paula Viana, enfermeira e coordenadora do Grupo Curumim, parceiro do programa Pró-Marias, de atendimento às vítimas de violência desde 1996, dentro do Cisam.
A criança acusa o tio de tê-la violentado desde os seis anos. Na terça-feira, ele foi preso em Betim (Minas Gerais) e, segundo a polícia do Espírito Santo, confirmou "informalmente", os abusos sexuais. Ainda no hospital, a menina descobriu por um celular sobre a prisão e demonstrou alívio. Para a avó, disse: "Ainda bem, porque o vovô pode sair para a rua agora”.
A menina foi obrigada a se esconder dentro do porta-malas de uma minivan Doblò para entrar no Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), da Universidade de Pernambuco, no último domingo, dia 16, onde realizou o aborto legal. O procedimento foi adotado para despistar os manifestantes contrários ao aborto, que se aglomeraram na frente do hospital após os dados da criança e do local serem divulgados nas redes sociais, inclusive pela extremista Sara Giromini.
O homem acusado de estuprar uma menina de 10 anos no Espírito Santo, tio da vítima, foi preso na madrugada desta terça-feira. A informação foi divulgada pelo governador do estado, Renato Casagrande (PSB). O caso ganhou repercussão nacional na semana passada e o suposto agressor fugiu depois que os abusos foram descobertos com a gestação. Ele foi encontrado em Betim (MG), segundo o portal G1. O homem, de 33 anos, foi indiciado por estupro de vulnerável e ameaça e será levado para o Complexo Penitenciário de Xuri, em Vila Velha, na Região Metropolitana de Vitória, segundo o G1.

Fonte: Jornal Extra


Nenhum comentário:

Postar um comentário