sexta-feira, 3 de julho de 2020

Primeira-dama do Estado afirma que mendigo fica na rua por capricho

A primeira-dama do Estado de São Paulo, Bia Doria, chocou a internet, na manhã desta sexta-feira, 03 de julho, ao afirmar que mendigo escolheu ficar na rua por “capricho”: “Não é correto chegar na pessoa que está na rua e dar marmita, porque a pessoa tem que se conscientizar que ela tem que sair da rua”.
Bia Doria, que é presidente do Fundo Social de São Paulo, disse ainda que “a rua hoje é um atrativo, as pessoas gostam de ficar na rua”. Ela apareceu em um vídeo ao lado da socialite Val Marchiori, que corroborou com as afirmações da primeira-dama.
“Elas não querem sair da rua porque no abrigo têm horário pra entrar, têm responsabilidades, limpeza e eles não querem, né?”, afirmou Marchiori.
“Ela quer receber. Ela quer a comida, quer a roupa, quer uma ajuda e não quer ter responsabilidade e isso está muito errado, porque se a gente quer viver num país onde todos têm suas responsabilidades”, afirmou a primeira-dama, interrompida por Marchiori: “é, nós temos, é nossas contas. Todo mundo tem suas responsabilidades”.
Sentadas lado a lado, elas usam máscaras durante parte da conversa, mas depois tiram. No início do encontro, brincam ao dizer que não as usar é passível de multa em São Paulo.
Presidido por Bia Doria, o Fundo Social de São Paulo foi criado em 1968 e tem como objetivo instituir programas sociais destinados a atender pessoas em situação de vulnerabilidade social.
Em nota, Bia afirma que "errou ao tirar a máscara para a entrevista, mesmo estando em uma ala residencial e privada."
Em relação aos comentários sobre pessoas em situação de rua, ela diz que "sua fala foi tirada de contexto", e afirma que sua intenção "é que as pessoas em situação de rua tenham acesso aos abrigos públicos, onde terão alimentação de qualidade dentro das normas de higiene da Vigilância Sanitária, e uma condição de vida mais digna. Ou mesmo nos restaurantes Bom Prato, que recentemente decretaram gratuidade aos moradores de rua."

Fonte: Metrópole/Folha de S. Paulo


Nenhum comentário:

Postar um comentário