sexta-feira, 3 de julho de 2020

Fórmula 1 abre temporada na Áustria após quatro meses de atraso por pandemia

Após seguidos impasses, indefinições e prejuízos, a Fórmula 1 abriu a temporada 2020 nesta sexta-feira, 03 de julho, com os primeiros treinos livres do GP da Áustria. Nas duas sessões de atividades na pista no Circuito de Spielberg, a categoria vai colocar a prova o seu "novo normal", com adaptações e diversas restrições, para encarar uma "maratona" de oito corridas nos próximos dez finais de semana.
Em razão da pandemia do novo coronavírus, equipes e pilotos já sabem que enfrentarão obstáculos em suas funções, mais limitadas e cheias de cuidados sanitários. Como acontece em outras modalidades esportivas, o uso de máscaras e de álcool em gel serão obrigação constante. Além disso, o famoso circo da F-1 será reduzido.
Pelos novos protocolos da competição, não haverá visitantes nem patrocinadores circulando pelo paddock. Cada equipe terá que fazer cortes para reduzir o número de pessoas nos boxes e nas áreas de hospitalidade, com limite de 80 por time. A presença de jornalistas também será minimizada. Os poucos presentes não terão acesso ao paddock ou ao pit lane.
A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) exigiu que todos os funcionários das equipes assinassem o seu Código de Conduta. Pelas regras, eles não poderão ter contato com pessoal de outros times. Para os que têm acesso a paddock e pit lane, todos terão que ter exame negativo para covid-19. E serão submetidos a novos testes a cada cinco dias.
A preocupação para evitar aglomeração também prevê que as equipes não levem aos circuitos seus famosos motorhomes. Assim, equipes e pessoal devem usar a estrutura dos próprios autódromos para facilitar o cuidado com a transmissão.
O número reduzido de funcionários em cada equipe pode trazer consequências diretas para a pista. Com menos gente nos boxes, por conta do distanciamento social, os mecânicos vão enfrentar maior exigência e consequente cansaço. Erros poderão se tornar mais frequentes, afetando o resultado das corridas. Ações comuns nos boxes, como trocas de motor ou da caixa de câmbio, devem levar o dobro do tempo em comparação ao esquema tradicional.
"Vamos tentar fazer exercícios de respiração e pausas para manter a nossa equipe na melhor forma possível", diz o diretor esportivo da Ferrari, Laurent Mekies. "Nosso maior desafio será usar máscara o tempo todo. Uma coisa é trabalhar de máscara na fábrica, outra é atuar nos boxes ou na pista, com temperatura de 40 graus ou mais."
Para os pilotos, haverá uma dificuldade adicional: correr sem torcida. "Pilotar diante de arquibancadas vazias não será muito inspirador. Será um tanto solitário. Vamos sentir falta dos fãs", admite Lewis Hamilton. "Acho que será a temporada mais difícil para todos nós por causa destes tempos difíceis que estamos enfrentando e as mudanças que vamos ter que fazer."
Outras destas mudanças terão forte impacto nas tradições da categoria. A F-1 já avisou que não terá mais o desfile dos pilotos antes das provas, justamente para evitar aglomeração entre eles. O grid também deve ser afetado, com menos gente em torno de cada carro. Por fim, não haverá cerimônia no pódio. Mas haverá a entrega de troféus, com protocolo ainda não divulgado pela organização.
Apesar do risco constante de contaminação, as estratégias criadas pela F-1 para reduzir as chances de contágio podem ser bem-sucedidas, na avaliação do infectologista Jamal Suleiman. "Não existe nenhuma estratégia que impeça o contágio enquanto não tiver vacina. Mas os protocolos podem ajudar a minimizar o risco, caso das arquibancadas vazias e da redução de funcionários por equipe", disse o especialista, ao Estadão.
Para o profissional do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, a F-1 tem a vantagem de ser disputada ao ar livre e sem contato físico entre os atletas. "Isso porque não é um esporte de interação, ao contrário do futebol, que abriu fazendo testagem no meio da pandemia, o que é um escárnio."
Na sua avaliação, a testagem a cada cinco dias é uma saída eficiente. Mas explicou que o contágio mais frequente é por gotículas de saliva, que podem manter o vírus ativo por até 72 horas sobre superfícies, como aço e carbono, tão comuns no mundo da F-1. "Este tempo pode diminuir em ambiente mais aberto, como são os boxes."
Para Suleiman, o maior desafio da F-1 será manter o distanciamento social, principalmente em situações como a preparação do grid de largada. "As relações humanas não estão baseadas no distanciamento. E o distanciamento precisa ser treinado. Vai ser interessante ver como todos vão se comportar."

Fonte: Jornal Correio do Povo


Nenhum comentário:

Postar um comentário