segunda-feira, 1 de junho de 2020

Garça tem retração de mais de 100 postos de emprego ao longo de abril

Garça teve uma considerável retração no volume de geração de empregos ao longo de abril. Depois de vários meses sem ser atualizado pelo governo federal, o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia, trouxe os dados dos últimos meses sobre a questão do trabalho, que apresentaram indicadores negativos, refletindo o cenário de pressão econômica atual.
Em abril, 102 postos de empregos foram perdidos na cidade e Garça, o que significa uma retração de 1,15% no saldo. Abril, desse modo, teve um montante de 95 empregos gerados, ao passo que 197 trabalhadores foram desligados.
Ao contrário do que ocorria anteriormente, o governo federal deixou de informar em quais setores se deu o montante de admissões ou de demissões, o que dificulta consideravelmente a análise sobre o comportamento da questão do emprego.
Com os números observados em abril, o ano de 2020 vai se mantendo negativo na geração de empregos em Garça. Entre 01 de janeiro e 30 de abril, a cidade registrou a perda de 59 postos de trabalho — 1.052 admissões e 1.111 demissões (-0,67%).
No Brasil, em abril passado, se registrou uma perda de 2,21% na geração de emprego, com 598.596 admissões e 1.459.099 demissões, com saldo da ordem de 860.503 postos perdido.
Durante o ano de 2020, as admissões chegam a 4.999.981, contra 5.763.213 demissões, com um saldo negativo de 763.232 postos.
O Caged passou por mudanças, se sustentando agora no preenchimento de informações da base de dados do eSocial (Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais Previdenciárias e Trabalhistas). Com a mudança, o cumprimento de 13 obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas fica centralizado em um só sistema, com o agrupamento de setores da economia.
Até dezembro passado, eram oito: comércio, serviços industriais de utilidade pública, extrativa mineral, administração pública, agropecuária, construção civil, indústria de transformação e serviços. Com a reformulação do Caged, os dados estarão na mesma divisão feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. São eles: comércio, serviços, indústria geral, construção civil e agricultura.
O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados foi criado como registro permanente de admissões e dispensa de empregados, sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho. É utilizado pelo programa de Seguro-Desemprego para conferir os dados referentes aos vínculos trabalhistas, além de outros programas sociais. Esse Cadastro serve ainda como base para a elaboração de estudos, pesquisas, projetos e programas ligados ao mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que subsidia a tomada de decisões para ações governamentais.

Fonte: Jornal Debate


Nenhum comentário:

Postar um comentário