segunda-feira, 25 de maio de 2020

Acig solicita a imobiliárias da cidade redução dos aluguéis de prédios comerciais

Sem faturar e com atendimento restrito em razão do isolamento social imposto pelo enfrentamento ao novo coronavírus, os comerciantes de Garça, a exemplo dos demais em todo o país, amargam prejuízos com o avanço da pandemia da covid-19. O que fazer para não entregar literalmente os pontos neste período de baixíssimo fluxo de clientes? Na busca de alternativas para superar a crise, os lojistas da cidade têm tentado negociar com as imobiliárias e donos de imóveis os valores dos aluguéis que estão vencendo neste período da quarentena.
Nesta semana, a Acig (Associação Comercial e Industrial de Garça) tomou uma ação concreta em defesa da classe. Foi elaborado e encaminhado um ofício às imobiliárias da cidade, que são intermediárias na relação locador e locatário.
No documento, a diretoria solicita comprometimento no sentido de sensibilizar os proprietários de imóveis comerciais da necessidade de promover um desconto de 50% nos valores de aluguéis nos próximos meses de junho, julho e agosto, considerados os mais críticos, especialmente no tocante ao impacto econômico provocado pelo fechamento das lojas.
"Considerando o atual momento do Brasil, com o enfrentamento da covid-19, no qual o comércio vem sofrendo sua maior crise de vendas das últimas décadas, e, ainda acreditando que a recuperação da economia se inicia nos próximos meses após a pandemia, a diretoria da Acig decidiu tomar essa iniciativa", explicou João Francisco Galhardo, presidente da entidade. Ele revela que houve bastante procura de lojistas e associados para que a instituição intercedesse nas negociações.
"Avaliamos que esse desconto nos aluguéis dos imóveis comerciais é primordial para dar fôlego aos lojistas locais. Nossa preocupação é com a sustentação das empresas e da manutenção de um grande número de postos de trabalho que podem ser extintos caso alguma atitude não seja tomada", sustentou o presidente.
Como empresário atuante no comércio, João Francisco Galhardo conhece de forma efetiva a realidade vivida neste momento e a apreensão que pesa sobre o setor. "Precisamos dessa ajuda que valorizará a economia local e consequentemente as famílias, favorecendo o bem-estar dos cidadãos e a prosperidade da cidade de Garça", complementou Galhardo, que avaliou que os locatários tendem a ser sensíveis a reivindicação.
"Estamos buscando o caminho do diálogo e sensibilização nesta hora. A intenção não é dar prejuízo ao dono do imóvel, mas, sim, manter a inadimplência controlada, garantir a vigência dos contratos, o que só será possível se as lojas continuarem abertas. Acreditamos que juntos podemos superar todos os desafios e dificuldades deste período”, finalizou o presidente.

Fonte: Jornal Debate


Nenhum comentário:

Postar um comentário