quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Chuvas torrenciais também castigam cidades de Pirajuí e Jaú

A chuva que teve início na noite da segunda-feira e só parou na madrugada desta terça-feira também causou estragos em cidades da região. Em Jaú, o rio Jaú transbordou e alagou dezenas de imóveis. Em Pirajuí, quedas de barranco interromperam o trânsito em estradas e uma grande erosão "engoliu" uma avenida. Também foram registradas ocorrências em Pederneiras, Bocaina e São Manuel (leia mais abaixo).
Em Jaú, as regiões mais atingidas foram os Jardins São José, Bela Vista e Sempre Verde, as ruas Quintino Bocaiuva, Doze de Outubro, Atílio Bertoldi e Prefeito Mário Ferraz de Magalhães, a avenida do Café e as imediações do Campo Municipal.
Além de ruas, casas foram invadidas por água e lama. Famílias ficaram desabrigadas e muitos lojistas contabilizam prejuízos. Pela manhã, equipes iniciaram o trabalho de limpeza das vias.
Segundo o coordenador da Defesa Civil, Valdir Baltazar, assim que o nível do rio começou a subir, equipes iniciaram trabalho de monitoramento.
"Posteriormente, veio uma cabeça d'água, fenômeno natural que acabou gerando todo esse transtorno na nossa cidade. Mesmo assim, a gente passou a madrugada inteira trabalhando, tanto a estrutura da prefeitura como a Polícia Militar (PM) e o Corpo de Bombeiros. Fizemos um trabalho de resgate das pessoas e de assistência", explica.
Em Pirajuí, de acordo com o engenheiro da prefeitura Alexandre Faria Barrozo, a chuva forte começou por volta das 17h de anteontem e só parou depois da 0h. Ele estima que tenha chovido na cidade a média de 250 milímetros. Por volta das 21h, equipes da prefeitura iniciaram o monitoramento de pontos críticos. "Os rios começaram a encher e, em alguns locais, os taludes cederam e as barreiras de terra desceram para as pistas", conta.
Além da estrada vicinal Prefeito Anibal Haman, que liga o Centro às penitenciárias masculinas e zona rural, o município interditou temporariamente a estrada vicinal Antônio Carlos Falavinha, que dá acesso aos bairros da Estiva, Pradínia, ao município de Pongaí e à penitenciária feminina. Após trabalho de limpeza e remoção da lama, o engenheiro explicou que as vias foram liberadas.
Segundo ele, também ocorreu queda de barreira na rua José Martins Ferreira, na região do Jardim Paraíso. Na zona rural, pelo menos cinco pontes foram danificadas e três delas estão completamente interditadas. A situação mais crítica ocorreu na avenida Nova Pirajuí, que liga o Centro ao bairro Nova Pirajuí, ao lado de uma represa. Barrozo revela que o grande volume de água carregou a tubulação e parte do asfalto, abrindo uma grande cratera.
"Nós estamos drenando a represa para não romper. Se ela rompesse ontem (anteontem), quando o córrego Dourado já estava com a carga totalmente cheia, provavelmente levaria residências. Seria uma catástrofe sem tamanho na cidade", diz. Ele ressalta que um mutirão de limpeza realizado pela prefeitura na semana passada, quando o lixo recolhido lotou 320 caminhões, contribuiu para minimizar os estragos da chuva. "Esse lixo não correu para as bocas de lobo e para dentro dos córregos. Isso favoreceu muito a drenagem das vias", afirma.

Fonte: Jornal da Cidade de Bauru


Nenhum comentário:

Postar um comentário