segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

Garça registra números pouco animadores no levantamento do IPRS

Garça está inserida no grupo de cidades que possuem baixos níveis de riqueza e indicadores apenas intermediários de longevidade e escolaridade. É isso que indica o mais novo levantamento do IPRS (Índice Paulista de Responsabilidade Social), apresentado pela Assembleia Legislativa.
O levantamento leva em conta o exercício de 2018 e o desempenho de Garça é sofrível, ficando apenas na posição 282 em relação a todos os demais municípios do Estado. A pesquisa apresenta uma escala de zero a 100 para avaliar três requisitos básicos, que definem o Índice: riqueza municipal, longevidade e escolaridade.
No que se refere à riqueza municipal, Garça teve apenas 36 pontos, ao passo que contou com 64 em longevidade e somente 46 em escolaridade. O município líder do ranking foi Barueri, com 65 em riqueza, 66 em longevidade e 50 em escolaridade.
O comportamento de Garça não foi diverso ao verificado nos levantamentos anteriores do IPRS. Em 2016, a cidade apresentou 34 em riqueza municipal, 63 em longevidade e 52 em escolaridade. Já em 2014, os indicadores foram 36 para riqueza, 64 para longevidade e 46 para escolaridade.
Dentro do estabelecido na Agenda 21, a Assembleia Legislativa criou o Índice Paulista de Responsabilidade Social como um indicador para apoiar os municípios na orientação de suas políticas de desenvolvimento social e de melhora na qualidade de vida. O IPRS vem sendo apresentado desde o ano 2000.
O levantamento divide as cidades em cinco grupos: Vulneráveis, que são os com baixa riqueza, baixa longevidade e baixa escolaridade; Dinâmicos, que geram riqueza e alcançam indicadores médios ou altos nas dimensões escolaridade e longevidade e ampliação da população alcançada; Desiguais, que geram riqueza e apresentam indicadores baixos em pelo menos uma das dimensões de escolaridade e longevidade; Equitativos, que apresentam níveis de riqueza baixos, mas indicadores de escolaridade e de longevidade altos e médios; Em transição, com indicadores de riqueza baixa e indicadores de escolaridade e longevidade em polaridades opostas, isto é, baixa escolaridade e alta ou média longevidade ou o contrário. Garça figura no grupo de cidades consideradas "Em transição".
Na comparação do período 2016-2018, o Estado de São Paulo manteve estabilidade em 44 pontos no indicador de riqueza. Entre os municípios, 39,5% não sofreram variação, 3,9% registraram redução e cerca de 45% tiveram aumento.
Na dimensão longevidade, o Estado mostra tendência idêntica e marca 72 pontos. Pouco mais de um terço (38%) dos municípios apresentaram declínio desse indicador, aproximadamente 12% registraram estabilidade e 50% ampliaram seu patamar. Já no indicador de escolaridade, houve aumento de dois pontos, elevando-se para 53. Cerca de 80% dos municípios alcançaram variações positivas, 5% apresentaram estabilidade e 15,3% reduziram esse indicativo.

Fonte: Jornal Debate


Nenhum comentário:

Postar um comentário