segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Caminho de Damasco promove palestras nos seus 80 anos de fundação

Uma das primeiras instituições de Garça, o Centro Espírita Caminho de Damasco — cuja razão social é Grupo Espírita Fraternidade —, completa 80 anos neste mês. Foi fundado em 19 de novembro de 1939 por espíritas garcenses, dedicados à causa filantrópica, entre os quais Edgard de Castro Marques, Manoel de Oliveira Pedro, Brasil Joly e Aurino Gomes Ribeiro. 
Em 1942, o Caminho de Damasco inaugurou o Hospital dos Pobres, o primeiro hospital de Garça e microrregião, situado à rua América, para atender à população da zona rural de vários municípios. No ano de 1956, passou a chamar-se Hospital e Maternidade Samaritano. Armando Avelino de Souza, Pedro Afonso de Oliveira, Arlindo Ribeiro de Andrade, Rolando Ramacciotti e outros cidadãos passavam a sustentar a causa em favor da população menos favorecida.
O Samaritano atendeu a população de Garça e região por mais de 60 anos ininterruptos, sendo dirigido nos seus últimos 30 anos por Armando de Souza Filho (mais conhecido por Eli), em cuja gestão remodelou totalmente seu prédio e instalações. O Samaritano, em razão da crise hospitalar que abrangeu todo o país, precisou encerrar suas atividades nos primeiros anos deste século.
Em 1949, atendendo a uma necessidade do momento, os espíritas fundaram o Orfanato Nosso Lar, na avenida Labieno da Costa Machado, entidade que, durante mais de 20 anos, prestou serviços à comunidade, abrigando dezenas de crianças sem lar, destacando-se à frente desse trabalho a participação feminina de Palmyra de Araújo Guimarães, Maria Izabel Mendes Faria e Valderez Avelino de Souza, até que, na década de 1970, a instituição passou a funcionar como creche, sob o nome de Lar da Criança.
Anteriormente, junto ao antigo orfanato, entretanto, mais uma frente de trabalho teve início, ainda na década de 1950, quando Carmen Joly de Souza, Clara Smores Brandão e Maria Tavares Doca criaram os serviços do antigo Lar Sheilla, no qual forneceram, por décadas, alimentação a famílias pobres da periferia da cidade. Anos depois esse serviço foi assumido por Vera Cruz de Souza Ferreira, e com o tempo acabou se transformando no que é hoje o Lar Meimei, voltado para a assistência e apoio a famílias e conduzido por um grupo de voluntários.
Ainda na década de 1950, para atender a uma necessidade daquela época, por iniciativa do Caminho de Damasco surgia o Lar Chico Xavier, no bairro José Ribeiro que, por muitos anos, atendeu famílias destituídas de seus chefes e sem condições de se sustentar, fornecendo moradia gratuita e colaboração em espécie. Mas a entidade perdeu sua finalidade com o passar dos anos, após a ampliação dos atendimentos da Previdência Social. 
Atualmente, o Centro Espírita Caminho de Damasco (hoje, Grupo Espírita Fraternidade) mantém o Lar Meimei, à avenida Labieno da Costa Machado, 1285, onde se desenvolvem atividades socioeducativas, fornecimento de sopa a famílias e moradores de rua, distribuição de cestas básicas a cerca de uma centena de lares, evangelização infanto-juvenil, incluindo o funcionamento do Grupo de Alcoólicos Anônimos de Garça e outros serviços. O Caminho de Damasco, em sua sede, à rua Gabriela, atende ao público diariamente com reuniões, passes, conversa fraterna, palestras e cursos, além da Biblioteca Batuíra, com seção circulante e que conta com um acervo de mais de 6 mil volumes.
Por duas ocasiões, o Caminho de Damasco estendeu publicações gratuitas a todo o Brasil e a vários países do mundo: a primeira, quando distribuiu por vários anos um folheto com mensagens recebidas pelo médium Chico Xavier nas décadas 1950/1960 e, a segunda, quando da edição do opúsculo “Iniciação ao Conhecimento da Doutrina Espírita”, em 1981, até hoje em circulação e reproduzido por várias editoras, inclusive com tradução nos países de destino em pelo menos quatro idiomas: espanhol, inglês, japonês e holandês. 
O Caminho de Damasco, há quase 20 anos, envia mensagens de esclarecimento e conforto às famílias enlutadas da cidade. Mantém um clube do livro espírita, assim como o programa “Momento Espírita”, que conta com 47 anos de apresentação aos domingos, 11h30, pela Rádio Universitária de Garça. O Lar Meimei, como não mantém nenhum tipo de convênio com órgão público, produz artesanatos sob a coordenação de Maria das Dores Santos Viacelli e promove feiras e bazares, participando do Cerejeiras Festival todos os anos e promovendo sua tradicional Feira do Natal, ao final de cada ano, na galeria municipal "Edith Nogueira Santos". Neste ano, o evento ocorre entre 11 a 21 de dezembro, no horário comercial.
O Lar mantém-se com recursos advindos de doações, contribuições pessoais de colaboradores, clubes de serviço e empresas da cidade, vendas de artesanatos, doces e salgados, além do bazar da pechincha, que funciona às sextas-feiras, a partir das 13 horas, na própria entidade.  Seus serviços são realizados por voluntários.
Para lembrar os 80 anos de atividades ininterruptas em Garça, a diretoria do Caminho de Damasco promoverá três palestras na semana de seu aniversário. No dia 19 de novembro, terça-feira, Paulo Fernandes, escritor, expositor e estudioso espírita, falará sobre o tema "Senhor, que quereis vós que eu faça", abordando o histórico encontro de Paulo de Tarso com Jesus no Caminho de Damasco.
No dia 21 de novembro, Karina Rafaelli, médica e dirigente do Núcleo Espírita Amor e Paz, em Marília, abordará o tema "Como Perdoar". E, para finalizar, no sábado, 23 de novembro, o garcense Ricardo de Souza Cavalcante, médico infectologista e professor da Faculdade de Medicina de Botucatu, presidente da Associação Médico Espírita daquela cidade, trará o tema "Evangelho e Saúde". As palestras são abertas ao público e terão início às 20 horas, na sede da entidade, à rua Gabriela, 178.

Fonte: Jornal Debate


Nenhum comentário:

Postar um comentário