quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Pontos MIS traz hoje exibição do documentário "O Dia que Durou 21 Anos"

Hoje,29 de agosto, a partir das 19h30, o Pontos MIS, traz mais uma sessão de cinema para Garça. Na Sala Multimídia da biblioteca municipal será exibido o documentário “O Dia que Durou 21 anos” e, os presentes poderão acompanhar um pouco da influência do governo dos Estados Unidos no golpe de Estado no Brasil em 1964.
O golpe militar de 1964 no Brasil contou com uma ativa participação do governo dos EUA. Numa trama de ação e suspense, “O Dia que Durou 21 Anos” revela documentos Top Secret da CIA e áudios originais da Casa Branca, mostrando como os presidentes John F. Kennedy e Lyndon Johnson articularam o plano civil e militar para derrubar o presidente João Goulart, eleito pelo voto popular, e apoiar o governo do marechal Humberto Castelo Branco.
Durante 21 anos - de 1964 até 1985 - o governo militar brasileiro impôs um regime autoritário que violou os direitos civis e instalou a ditadura em nome da "Liberdade" e da defesa da "Democracia", com graves consequências para toda a América Latina.
O documentário dirigido por Camilo Tavares mostra ainda que os Estados Unidos estavam decididos a invadir o Brasil para que o golpe tivesse sucesso. O Dia que Durou 21 Anos foi coproduzido pela TV Brasil e apresentado em três partes de 26 minutos em abril de 2011.
O jornalista Flávio Tavares militou contra a ditadura, sendo preso, torturado e mandado para fora do país. O filme foi dirigido por seu filho Camilo Tavares e roteirizado por ambos.
“O dia que durou 21 anos” é um filme brasileiro em estilo de documentário, vencedor de diversos prêmios, nacionais e internacionais. O filme relata, não só a Ditadura Civil-Militar no Brasil, como o envolvimento de grandes figuras americanas, como os presidentes Kennedy e Lyndon Johnson, e o embaixador dos EUA no Brasil, Lincoln Gordon, orquestraram seu plano de tirar do poder o então presidente João Goulart, sob a premissa de que o governo de Goulart estaria levando o país ao comunismo, algo que os EUA não permitiria jamais devido aos seus interesses econômicos no Brasil.
Por meio de documentos secretos da CIA e áudios originais da Casa Branca, além de entrevistas com pessoas direta ou indiretamente envolvidas na política do período, somos apresentados ao pano de fundo de um golpe que acabou se estendendo por 21 anos, que violou os direitos civis e instalou a ditadura em nome da “Liberdade” e da defesa da “Democracia”.
O documentário explora o papel que os Estados Unidos tiveram no golpe de 1964 e no regime militar que se estendeu por 21 anos, até 1985. Investiga o papel de seu principal interlocutor, o embaixador Lincoln Gordon, gerenciando 1,2 mil funcionários e um polpudo orçamento destinado a financiar estudos (por meio do IPES – Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais – e do IBAD – Instituto Brasileiro de Ação Democrática) e disseminar propaganda para desestabilizar o governo do presidente João Goulart. A ditadura dos militares também contou com o apoio de grandes grupos privados, representados no Brasil pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, que apoiaram integralmente cada movimento do regime. Da narrativa surgem, além de áudios originais, também documentos confidenciais que comprovam a omissão do governo norte-americano em relação às prisões, torturas, desaparecimentos e mortes praticados em nome da manutenção do regime.

Serviço — A exibição do filme "O Dia que Durou 21 Anos" ocorre hoje, a partir das 19h30, na biblioteca municipal, localizada à avenida Rafael Paes de Barros, 522, em Vila Williams. A entrada é franca.

Redação do Garca.Jor


Nenhum comentário:

Postar um comentário